Motivação, cadê você?

Creio que assim como eu, há muitas pessoas que procuram a motivação profissional.  Sempre que vejo, leio ou ouço algo sobre motivação fico atenta. Já li muitos livros de autoajuda, fiz cursos, participei de webinários, workshops,  palestras e ouvi relatos de experiências de vida pois acredito que uma pessoa motivada rende mais e vive mais feliz.

Daniel Pink (referência em gestão de comportamento) no TED o “O quebra-cabeça da motivação”, dá informações importantes sobre o paradeiro da tão procurada motivação. Ele comenta o que mudou em relação a isso no decorrer dos séculos, o que os estudos revelam de comportamentos atuais e os três elementos da motivação dos profissionais nos dias de hoje.

O que Pink diz é que há muito tempo atrás, em um sistema de administração convencional, a motivação era extrínseca (vinha de fora da pessoa). Ou, se a empresa queria uma performance melhor das pessoas, ofertava recompensas, como comissões, adicional de salário ou outros bônus, o que funcionou muito bem em naquela determinada época. Porém, estudos mais recentes revelam que atualmente estas práticas não trazem os mesmos resultados e o que move as pessoas na hoje em dia vem de dentro de cada um, ou seja, é intrínseca.  Nessa linha, existem três elementos relacionados a motivação intrínseca que são: Autonomia, domínio e propósito.

A autonomia está relacionada ao desejo de direcionar a sua própria vida. Domínio tem a ver com fazer as coisas que realmente são importantes cada vez melhor e propósito é o desejo de fazer o que fazemos servindo a algo maior além de si mesmo.

 

 

Reprodução | Pinterest
                Reprodução | Pinterest

O autor também comenta que apesar de estudos que comprovam esta teoria poucas empresas tem aplicado na prática. Já as empresas que estão usando esta metodologia tem tido retorno muito positivo onde os funcionários tem liberdade de horário, local de trabalho, como realizam a tarefa, sem programação rígida e retorno disso é maior engajamento, produtividade, satisfação do funcionário e baixa rotatividade.

Esta liberdade não significa não ter que trabalhar, ou fazer de qualquer jeito. Significa que cada pessoa pode escolher fazer o seu melhor da forma que ele acredita que pode fazer. Entregar o que tem que ser entregue e cumprir com os compromissos assumidos quando foi contratado.

Sei que há muitas tarefas em diferentes negócios que não podem ser realizadas desta forma, mas acredito fortemente que a motivação é intrínseca e que é possível conhecer cada pessoa e extrair dela o melhor que ela tem para dar.

Sei também que não é tarefa fácil para o gestor que está acostumado a gerir sua equipe de forma diferente. Mas como uma empresa é feito de pessoas e através delas que se obtém o resultado é preciso rever conceitos e não fazer mais do mesmo que não dá certo!

Para finalizar, deixo uma pergunta: Como está a motivação da sua equipe? Você sabe o que realmente faz a pessoa sair da cama e ir para o trabalho?

Será que se você atendesse alguma outra necessidade que não fosse só financeira a pessoa não renderia mais? Eu acredito que sim!

 

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *